Bem-Vindos ao Novo Site do Visite Urucânia!
Clique aqui para ouvir o texto

Nossos Casos

.

A Música de D. Taninha

1.779 visitas

Boa música reúne famílias tradicionais em Urucânia

Em meados de 1930, na casa de Sebastiana de Godoy Lima, Dona Taninha, como era chamada, amigos das tradicionais famílias da cidade e região sempre se reuniam ao som da boa música.

Como Dona Taninha era pianista e tocava órgão na Igreja da Matriz juntamente com o coral, seus filhos herdaram este dom que desenvolveram com muita presteza: Olga tocava piano e regia o coral. Já Maria e Nair faziam a 1ª e 2ª vozes, contando também com o talento das amigas, Elisa e Euterpe.

Essa familiaridade com a música resultava em reuniões na casa de Dona Taninha para o encantamento de todos. Ela no piano, seu filho Afrânio na flauta, José (Zito Godoy) no violino e Raimundo Machado, um grande amigo da família, no violão.

Para que este encontro ficasse ainda mais perfeito, juntavam-se à família, os dançarinos, estes, pessoas importantes da nossa cidade, passando assim, horas muito agradáveis.

Nesta época também existia em nosso município, o cinema mudo, onde o José, filho de Dona Taninha, era o encarregado de manusear a fita para que o público assistisse aos filmes.

Para dar sonoridade aos filmes, o piano de Dona Taninha era transportado para o cinema e durante os intervalos, ela tocava brilhantemente e como forma de agradecimento pelo seu inconfundível talento, recebia aplausos dos que ali estavam, deixando todos alegres e emocionados.

Dona Taninha era uma mulher de muitas qualidades, pois era também professora de música. Com alunos de várias idades e tamanhos, aqueles que não alcançavam as teclas do piano, ela gentilmente sentava-os no colo e os ensinava o que sabia tão bem. Umas de suas peculiaridades era que em seu piano havia fixada à seguinte frase: “A música é a arte de manifestar os afetos da nossa alma, mediante o som.” Frase esta, que só demonstrava sua paixão.

Dessa forma, podemos perceber que apesar de todas as dificuldades encontradas na época, Urucânia era uma cidade culturalmente enriquecida e recheada de artistas talentosos. Reuniões, festas e demais eventos eram realizados por diversão, sem a necessidade de datas especiais, apenas com um indispensável ingrediente: A amizade.

Colaboração:
Texto: Maria de Lourdes Lima Braga
Adaptação: Rita de Cássia Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Click to listen highlighted text!